SANDÁLIAS DO PIRATA

01/05/2010

A BASE DO PT.

Filed under: POLITICA — julio pegna @ 8:39 PM

Pouca gente se deu conta de que a História do Brasil está sendo escrita neste momento.
O quotidiano é tão cruel, que não percebemos que estamos construindo o país. A cada dia.
Mas o futuro é amanhã, e os livros contarão como se deu o desenvolvimento de um país como o nosso, cujas centenas de anos de exploração de seu povo nos colocaram em desvantagem em relação aos paises desenvolvidos.

Felizmente, estamos revertendo esta lógica: percebemos ter direito ao bem estar, ao trabalho, ao lazer e, sobretudo, à cidadania. Melhor, o custo não inclui guerras ou exterminios, nem exploração aos menos afortunados. Sim, porque a imensa maioria dos paises hoje considerados ricos, cresceram à base da exploração de colônias, inicialmente, e do dominio econômico, depois.

Paises como China, India, África do Sul, Brasil, Russia, entre outros, parecem ter acordado para sua realidade interna, cada uma com sua caracteristica particular, suas dificuldades, às necessidades de seus povos. E, com certeza, tudo passa por um projeto desenhado por suas lideranças.

Muito tem se falado à respeito do projeto de desenvolvimento do Brasil. As classes dominantes, leia-se, os mais ricos, devem olhar preocupados para o futuro, pois, nas regras do capitalismo, deverão passar a competir com mais gente, gente oriunda das classes sociais inferiores que começam a ter acesso à cidadania.

Não é preciso muito raciocinio para descobrir a razão que nos está levando ao primeiro mundo: a chegada ao poder do Partido dos Trabalhadores, através de Luis Inácio Lula da Silva.

Antes, até 2002 (ontem!), o projeto neoliberal no mais puro modelo norteamericano era o único sistema econômico “disponivel” nos paises democratas.

O tal “Estado minimo” é fruto desse pensamento imoral, pois repassa para a iniciativa privada o crescimento econômico do pais, e deixa o Estado à margem das decisões estratégicas econômicas e sociais.

Ninguém com o juizo em dia pode negar que até FHC, o nefasto, era assim. Lembrem-se das privatizações, exigidas pelos EUA, Grã-Bretanha, e outros; das benesses aos bancos privados (PROER); dos financiamentos a grandes conglomerados estrangeiros. E muito mais. Acabou!

Podem falar o que quiserem de Luis Inácio. Podem acusá-lo de não ter diploma universitário, de não falar idiomas ou de não ser intelectual. Mas não podem negar que o projeto de desenvolvimento com distribuição de renda é o meio mais seguro de elevar a categoria do Brasil no plano interno e externo.

Passamos a ser mais respeitados lá fora. Nossa voz começa a ter força diante de situações internacionais delicadas, como o conflito no Oriente Médio, por exemplo. Ser brasileiro, hoje, não é mais ser o país do Carnaval e do Futebol. É ser o país do crescimento com alegria.

Aqui dentro, a sensação que se tem, ao sair às ruas, é de um povo lutador que trabalha em busca do bem estar de sua familia. Com imensas dificuldades, ainda, após anos de “esquecimento” do poder politico com as camadas mais pobres da sociedade. Mas o rumo parece estar correto.

Nos últimos 7 anos foram criados milhões de empregos. Nunca se produziu tanto com tanto consumo interno. A quantidade de bens duráveis, automóveis, imóveis, até iogurtes, consumidos no Brasil batem recordes atrás de recordes. Em apenas 7 anos, a politica social de Luis Inácio inclui milhões de brasileiros no ciclo de consumo.

A educação, o mais antigo problema crônico, aos poucos está se solucionando com a criação de bolsas de estudo para pobres e negros, os marginalizados de sempre. O paradoxo é ter sido feito por um semi-analfabeto eleito em seguida de intelectuais.

O rumo está traçado. Resta muito a ser feito, porisso o projeto do Partido dos Trabalhadores deve continuar.

Em outubro próximo teremos eleições gerais. É a oportunidade de escolhermos se queremos seguir rumo ao futuro ou voltar aos tempos que nosso presidente era intelectual mas não entendia nada de povo.

Anúncios

1 Comentário »

  1. DOCUMENTO DE CAMPANHA DO PSDB É FEITO COM TIMBRE DA CÂMARA

    MARCELA ROCHA – TERRA – 07 de maio de 2010 • 15h18

    A imagem ao lado é um fac-símile do ofício um tanto quanto inusitado recebido pelo líder do governo na Câmara dos Deputados, Cândido Vaccarezza, nesta segunda-feira (3). Vindo do gabinete do também líder Paulo Bornhausen (DEM), o documento orienta parlamentares da oposição sobre como fazer a campanha do pré-candidato tucano, José Serra. Temas a serem abordados e como serem abordados permeiam as quatro páginas com o timbre da Casa.
    As orientações são feitas pela coordenação de comunicação da campanha de Serra e repassadas a parlamentares do DEM, PPS e PSDB. Segundo Bornhausen, esta é “uma maneira efetiva” de participarem da “dura campanha que se prenuncia”. O primeiro tema a ser abordado no documento é a Lei de Responsabilidade Fiscal. Segundo as orientações, os parlamentares devem traduzir o tema, “que é complexo”, para a população e caracterizá-lo como “herança maligna de Lula”.
    O tema seguinte diz respeito à “Continuidade X Avanço”. Tacitamente, a coordenação coloca que a palavra a ser usada pelos “aliados de Serra” deve ser “Avanço” e não “Continuidade”, porque a primeira “expressa salto de qualidade, que ultrapassa a ideia de mera continuação”.
    Se forem questionados sobre por que mudar se o governo está bom, os parlamentares têm linhas gerais de respostas: “continuidade é ao que o governo Lula continuou: aos fundamentos econômicos decorrentes do Plano Real, da Lei de Responsabilidade Fiscal, das metas de inflação…”. Ou então: “continuidade ao que ele (Lula) continuou na política social (Bolsa Família). O grande mérito do governo Lula foi ter percebido a importância do que vinha sendo feito”.
    Quando o assunto é “privatizações”, a orientação é enfrentar “o mito das privatizações, cujos frutos o governo Lula hoje colhe e proclama (…)”.
    Segundo matéria publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, também saíram dos gabinetes dos deputados Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM)-BA) e João Pizzolatti (PP-SC) emails ofensivos à pré-candidata petista, Dilma Rousseff. O líder do PT encaminhou ao presidente da Câmara Michel Temer (PMDB) uma notificação para que fosse apurado o uso indevido da estrutura da Casa com fins de campanha eleitoral.
    Bornhausen já restituiu aos cofres do Tesouro os valores gastos na impressão do material. Vaccarezza disse, em seu Twitter, que aguarda retratações do líder do DEM.
    http://noticias.terra.com.br/eleicoes/2010/noticias/0,,OI4419358-EI15315,00-Documento+de+campanha+do+PSDB+e+feito+com+timbre+da+Camara.html

    ***********

    Comentário do Brizola Neto, do Blog Tijolaço. Só 1 trecho:

    E aí entra a segunda questão:
    quem está espalhando sistematicamente esta sordidez de apontar Dilma como assassina e assaltante? Posso dar uma dica: quem começou foi a própria Folha, ao abrir suas páginas para reproduzir uma montagem apócrifa tirada da internet, com uma ficha falsa do Dops, ilustrando uma entrevista com uma pessoa que nega ter dito o que o jornal coloca em sua boca.

    ACHEI FRACA, embora bem intencionada, a reação do líder do PT, Cândido Vacarezza, de pedir uma sindicância à Mesa da Câmara para apurar o episódio. O comando do PT não pode ficar indo, como dizia Machado de Assis, “de borzeguins ao leito”.

    É direto no TSE.

    Comentário por alex — 07/05/2010 @ 8:57 PM | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: